terça-feira, 22 de junho de 2010

Lobo em pele de Carneiro


Lembrei do meu tio me ensinando que na profissão a gente tem que ter sempre o pulo do gato, contando a parábola da onça que não sabia caçar e o gato que ensinou tudo a ele, digo, quase tudo "menos o pulo do gato", que foi usado depois para se defender da própria onça que tentou se alimentar do pobre gato. Óbvio, que essa parábola também serve pra vida, e que estes ensinamentos fazem toda a diferença no final, uma forma de auto-proteção. Eu sei que todos devemos ser verdadeiros gatos, escondendo nossos segredos, mas eu confio na tese que não existe segredos, e que se eles existem, não são segredos, são tormentos da cabeça humana, coisas que não podem ser compartilhadas nem com um, nem com outro, só com você mesmo, e só! O problema é que o meu tio não sabe, que eu não tenho nenhum saco pra ser um gato, tão pouco a vilã onça... Estou por fora da espécie dos felinos. Prefiro os lobos, que andam em bandos, caçam e compartilham a comida com os demais da mesma espécie, e na noite, ainda cantam... Qual é a moral? qual vai ser o final dessa história? Eu não tenho nada prá dizer, por isso digo, que eu não tenho muito o que perder, por isso jogo, por isso sonho, são coisas da vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário